Ato contra aumento da passagem de ônibus mobiliza a cidade

0
990
Fotos: Elineudo Meira

Aconteceu nesta terça-feira, 7, uma manifestação denunciando as consequência do reajuste da tarifa do transporte coletivo para os trabalhadores e a população mais pobre da cidade de São Paulo. O protesto foi organizado pelo Movimento Passe Livre (MPL) e por estudantes e trabalhadores.

Sob palavras de ordem como “Se a tarifa não baixar, a cidade vai parar” e “4,40, o povo não aguenta”, cerca de 500 manifestantes se concentraram em frente a Prefeitura de São Paulo, na região central da cidade, e seguiram em caminhada até a Avenida Paulista, ganhando a adesão de novos participantes.

  

O governador João Doria (PSDB) e o prefeito Bruno Covas (PSDB) foram os principais alvos das críticas, assim como o presidente Jair Bolsonaro (SEM PARTIDO). A caminhada foi acompanhada por um grande contingente de viaturas e motos da Força Tática, além de dezenas de agentes da Polícia Militar.

O ato que estava previsto para acontecer na altura da estação Trianon-Masp, no qual os manifestantes planejavam pular as catracas do metrô, foi impedido pelo cordão de isolamento montado pela PM em todas as entradas. Uma parte dos manifestantes, a que conseguiu entrar no local, tentou negociar com os policiais para realizarem o ato, no que também foram bloqueados.

AUMENTO DA TARIFA

Desde o dia 1º de janeiro, as passagens de ônibus, metrô e trem na capital paulista aumentaram de R$ 4,30 para R$ 4,40. A integração entre os modais subiu de R$ 7,48 para R$ 7,65.

O Instituto de Defesa do Consumidor (Idec) protocolou uma carta na Prefeitura no último dia 20 de dezembro solicitando que o prefeito não reajustasse a tarifa da passagem do ônibus. Em sua página no Twitter, a entidade justificou que “a prefeitura não apresenta alternativas de receitas que segundo a Lei Federal poderiam reduzir o subsídio e a tarifa, e nem tem estudado os impactos que esse aumento pode gerar nos usuários levando a perda de passageiros e agravamento da crise”.

O Orçamento para o ano de 2020, apresentado pelo Executivo e aprovado pela base governista na Câmara, previu a redução do subsídio para o transporte, o que a bancada do PT alertou que levaria ao aumento da tarifa, transferindo o custo para o bolso da classe trabalhadora.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!