Prefeitura maquia dados de óbitos por Covid-19

2
5466

A Secretaria Municipal de São Paulo (SMS) modificou a metodologia para disponibilização dos dados de mortes por Covid-19. Até a edição 110 dos boletins diários (publicado em 15 de julho) a pasta repetia os números divulgados até o dia anterior e registrava na última data, de referência do relatório, a totalização de mortes. A partir da edição 111, sem qualquer anúncio prévio ou nota explicativa da mudança metodológica, a SMS passou a modificar os números informados nas datas anteriores e não mais totalizar os novos registros.

Desde o início da pandemia, a Liderança do PT tem trabalhado exaustivamente no monitoramento dos dados e acompanhado os boletins divulgados pela Prefeitura. Ao identificar a discrepância nos dados, as 19 últimas edições foram novamente verificadas. A tabela a seguir demonstra como essa mudança metodológica afeta os registros:

Assim, na metodologia anterior teriam sido registradas 131 mortes nas últimas 24 horas, mas, na nova metodologia, apenas 4. Além disso, seria o terceiro dia em que a média móvel aumentaria em uma semana (trecho selecionado em amarelo) e o sexto dia em que a média móvel da semana aumentaria na quinzena (trecho selecionado em vermelho).

O Secretário Municipal de Saúde, Edson Aparecido, usou o Twitter para negar a mudança e preferiu desqualificar a checagem da assessoria técnica da Liderança do PT.

Apesar da reposta, é possível afirmar que houve sim uma mudança metodológica. Até o dia 15, o boletim diário registrava as mortes até o dia anterior e na edição do dia 16 passaram a divulgar no mesmo dia, como pode ser observado na edição 112. Além disso, o perfil da pasta acabou confirmando a informação em sua resposta aos questionamentos na mesma rede social:

Nesta quinta-feira, 16, a edição 112 do boletim, até o dia anterior divulgada por volta das 19h, após os questionamentos da Liderança do PT atrasou e até as 21h não havia sido publicada.

FALTA DE TRANSPARÊNCIA

Desde o início da pandemia provocada pelo novo Coronavírus, a imprensa, os órgãos de fiscalização e entidades que medem opacidade e transparência no serviço público têm denunciado e criticado a forma de disponibilizar os dados epidemiológicos.

Em 4 de abril, o repórter Luís Adorno, do Uol, já denunciava a divergência nos dados divulgados pela Prefeitura e o Governo do Estado de São Paulo. Vale mencionar que são esses números que determinam a manutenção da quarentena ou permitem a abertura do comércio nas cidades. O governo Doria também não respondeu o motivo de omitir 11 mil casos de Covid-19 a menos na cidade de SP, dados ignorados que sustentam o plano de afrouxamento das regras de isolamento social determinadas pelo governo João Doria, como publicado pela repórter Camille Lichotti, da Revista Piauí.

Até o momento, três meses depois da reportagem de Adorno e quase um mês depois da de Lichotti, Prefeitura e Governo do Estado não conseguiram explicar essa divergência nos dados que ambos permanecem publicando, como pode ser observado no quadro a seguir:

Assim, São Paulo entrou na fase amarela da flexibilização da quarentena apesar da subnotificação no registro das mortes. Essa fase é a que permite a reabertura, com restrições, de bares, restaurantes e salões de beleza. O anúncio foi feito pelo governador  quando as repórteres Marina Pinhoni e Patrícia Figueiredo publicaram que havia mais de 25 mil casos a menos contabilizados pelo governo do estado daqueles divulgados pelo município, fazendo com que os números registrados no interior ultrapassassem a capital.

– com Rogério Limonti, da assessoria técnica de Finanças da Liderança do PT/CMSP

2 COMENTÁRIOS

  1. O PT critica s #fakenews dos bolsonaristas, mas fabrica as próprias. São iguais no uso sujo das redes sociais.
    Informe da PREFEITURA DE SP:
    Informamos que a partir da edição 111 , o boletim diário Covid-19 da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) de São Paulo passa a divulgar o número de casos correspondente a cada dia. Essa é uma medida que garante ainda maior transparência aos dados sobre óbitos por Covid-19 no município.
    A atualização do passado não muda o total de óbitos divulgados, apenas os distribui conforme a data em que aconteceram. Os dados divulgados em cada uma das edições anteriores a 111 continuam disponíveis em seus respectivos boletins diários, que podem ser acessados no site (link). A SMS garante, assim, a transparência e a exatidão dos dados publicados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!