Professores paulistas indicam nova paralisação para 5 de outubro e nacionalização da luta

0
1004

São Paulo – Os professores paulistas anunciaram hoje (22) que vão engrossar o enfrentamento nacional da categoria contra a reforma do ensino médio proposta pelo governo Michel Temer, por meio de medida provisória divulgada hoje. Eles também pretendem ampliar a adesão às mobilizações contra as propostas de congelamento nos orçamentos de saúde e educação e da reforma da Previdência.
“No próximo dia 5 vamos paralisar as escolas e vamos a Brasília, junto com as entidades nacionais de professores, contra as reformas do governo golpista”, afirmou a presidenta do Sindicato dos Professores no Ensino Oficial do estado de São Paulo (Apeoesp), Maria Izabel Azevedo Noronha, a Bebel.
Para ela, a reforma do ensino médio nada mais é que um enxugamento da educação pública. “Querem acabar com as disciplinas humanas. Não querem alunos que pensem, que divirjam. Em 2000, o governo de Fernando Henrique Cardoso tentou reformar o ensino médio. E nós o impedimos com uma das maiores paralisações de professores da história. E vamos impedir de novo”, afirmou.
Segundo a dirigente, os professores tiveram ampla adesão ao dia nacional de paralisação realizado hoje por várias categorias em todo o país. “E vamos continuar aderindo às campanhas definidas pelas centrais para confrontar os ataques desse governo biônico”, afirmou.
No momento, está descartada a greve específica da categoria em São Paulo. “Mas vamos seguir debatendo nas escolas para construir um movimento forte contra o autoritarismo do governador Geraldo Alckmin (PSDB), que nega o diálogo e mantém os professores há 25 meses sem reajuste. Bebel”
Mesmo assim, os professores mantêm as reivindicações apresentadas na assembleia anterior, em 26 de agosto. Eles reivindicam 16,6% de reajuste salarial, para repor a inflação dos últimos dois anos, a efetivação da meta 17 do Plano Estadual da Educação, que determina a equiparação salarial de todas as categorias com ensino superior e o fim do fechamento de salas de aula, entre outras pautas.
A assembleia também foi marcada por várias falas em defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que teve a denúncia feita pelo Ministério Público Federal aceita pelo juiz Sérgio Moro, na Operação Lava Jato. “Lula é o maior líder político brasileiro. Querem prendê-lo sem provas, como admitiram os procuradores. Isso é um absurdo. Querem eliminá-lo politicamente. Só quem pode julgar Lula são os trabalhadores”, afirmou Bebel.
Fonte: Tuane Fernandes / Mídia NINJA

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!