O combate à corrupção que combateu a Petrobras

0
928
Por Gleisi Hoffmann*
O Ministério Público Federal comemorou  esses dias, em cerimônia pública, a devolução de R$ 654 milhões à Petrobras, fruto de acordos de colaboração e de leniência, como os firmados com a Odebrecht e a Andrade Gutierrez, na Operação Lava Jato. Quando sabemos que os prejuízos causados pela Lava Jato à mesma estatal, apenas no ano de 2015, por paralisação de obras e serviços, de acordo com a Consultoria GO Associados, foi de R$ 140 bilhões,  essa comemoração do MP fica desmoralizada.
E mais: segundo levantamento da Federação Única dos Petroleiros (FUP), cerca de três milhões de empregos foram destruídos na cadeia do petróleo e gás no Brasil a partir da Lava Jato e da exposição espetaculosa de seus passos. Em empregos diretos, apenas na Petrobras até janeiro de 2017, foram destruídos 197 mil postos de trabalho e outros 50 mil na indústria naval. Que matemática é essa no dito combate à corrupção? Mata-se o paciente para exaltar o remédio?
Só que os prejuízos da Lava Jato não param por aí, atingem a economia do País como um todo. Os danos só tributários passam  de bilhões de reais  com a MP 795, que, por conta do desmonte da Petrobras e o consequente enfraquecimento do seu papel na exploração do pré-sal, vem desonerar as petroleiras para extrair petróleo e gás natural do pré-sal brasileiro. Em meio a uma crise que serve de justificativa para o governo de Michel Temer retirar direitos trabalhistas do povo e acabar com o direito de se aposentar pelo regime geral da Previdência Social, é insano abrir mão desse recurso. Responda você: a Lava Jato está fazendo bem ao País?
Some-se a isso o fato de os interesses neoliberais aproveitarem-se do momento de enfraquecimento da nossa maior estatal, motor de desenvolvimento e investimento do País, para aprovar no Congresso Nacional a retirada da Petrobras como operadora obrigatória dos campos do Pré Sal. Agora, preparam-se também para mudar o regime de partilha e transformá-lo em concessão simples. Com isso, vamos perder o ganho em barris de petróleo para o Estado brasileiro.
A grandeza dos números que enfrentam as chamadas devoluções feitas pela Lava Jato em nome do combate à corrupção saltam aos olhos. Só entre 2010 e 2014, os investimentos da Petrobras foram de mais de R$ 400 bilhões! E a Lava Jato desmonta e entrega nossa empresa para devolver-lhe, segundo cálculos do juiz Sérgio Moro, o total de R$ 6 bilhões que foram perdidos por corrupção?
Combater a corrupção é essencial, mas utilizá-la para mudar o modelo de desenvolvimento de um país é crime de lesa-pátria!  A corrupção só pode ser enfrentada e combatida com ações efetivas.
Os governos do PT, nas gestões de Lula e Dilma, promoveram o maior conjunto de investimentos em políticas de combate à corrupção da história do Brasil. Criaram mecanismos de controle popular sobre os gastos públicos, como o Portal da Transparência, a Lei de Acesso à Informação e as leis anticorrupção, contra a Lavagem de Dinheiro e aquela que regulamenta o conflito de interesses, bem como o cadastro nacional de empresas inidôneas e suspensas.
Também foi nos governos petistas que se deu o fortalecimento de instituições de fiscalização: na época, se criou a Controladoria Geral da União (CGU), se valorizou a Polícia Federal (PF) e o Ministério Público, se ampliou o Conselho de Controle das Atividades Financeiras (COAF) e o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE). Tudo isso para proporcionar condições para que operações, como a Lava Jato, acontecessem e pudessem desbaratar esquemas de corrupção. O que não se pode aceitar é que essas operações desbaratem a economia do País e sua soberania!
Combater a corrupção é muito diferente de se praticar “justiça” seletiva, com a finalidade de perseguir adversários políticos e servir a interesses econômicos contrários aos do País.
A pirotecnia midiática e a justiça seletiva praticadas pela Operação Lava Jato têm sido alvos de questionamentos diversos dentro e fora do Brasil. A voracidade inquisidora, que já chegou a motivar verdadeiras euforias coletivas na perseguição ao PT e suas lideranças, hoje é vista com cautela e com desconfiança, à luz dos danos causados à soberania nacional e ao desenvolvimento brasileiro.
 
(*) GLEISI HOFFMANN é senadora da República e presidenta nacional do Partido dos Trabalhadores (PT)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!