Paulistanos defendem mulheres, negros e LGBTs, afirma pesquisa

0
1191
Foto: Pragmatismo Político

O jornal Folha de S. Paulo traz na edição desta quarta-feira, 23, um estudo apontando que os paulistanos, mesmo entre aqueles que possuem orientações ideológicas distintas, defendem legislações mais duras e os direitos de mulheres e pessoas negras. A pesquisa foi elaborada pelo Monitor do Debate Político no Meio Digital, projeto que analisa estatisticamente reações a conteúdos publicados nas redes, e coordenada por Márcio Moretto e Pablo Ortellado, ambos professores da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH-USP).

A pesquisa, intitulada “Como as guerras culturais afetam a opinião da população”, descreve “guerras culturais” como o “debate público centrado em temas morais como drogas, punição a criminosos e feminismo”. O estudo divide a população em três grupos: I. Progressistas (21%), II. Punitivistas Laicos (35%) e III. Conservadores Religiosos (44%); a partir daí analisa esses três perfis em sua distribuição na população, características demográficas – como idade, escolaridade e renda – e a relação com as identidades políticas.

Foram realizadas 1.144 entrevistas no dia 28 de setembro de 2019, utilizando uma amostragem representativa dos habitantes da cidade; a margem de erro da pesquisa é de três pontos. O questionário utilizado busca identificar a adesão da população a um conjunto de 22 afirmações que ilustram posições progressistas e conservadoras sobre as questões que os pesquisadores consideraram mais relevantes do debate público dos últimos 25 anos.

“Nosso questionário foi construído a partir de um banco de dados com artigos de opinião sobre drogas e sobre questões relacionadas a mulheres, negros e à população LGBT nos jornais Folha de São Paulo, O Estado de São Paulo e O Globo entre 1994 e 2014. Além disso, mapeamos por meio do monitoramento do Facebook o debate público sobre esses temas de 2014 a 2016. As afirmações do questionário buscam ilustrar as posições progressistas e conservadora sobre as questões que dominaram o debate público nos últimos anos […]”, explicam os autores no texto do artigo.

Algumas questões chamam atenção: apesar de 67% dos entrevistados discordarem da afirmação de que “O cidadão de bem deve ter o direito de portar arma”, há uma maioria alinhada com afirmações do tipo “Menores de idade que cometem crimes devem ir para a cadeia” (72%) e “Precisamos punir os criminosos com mais tempo de cadeia” (75%).

Por outro lado, é preponderante a percepção da existência estrutural do racismo, já que 93% afirmam que “Os negros ainda sofrem preconceito no Brasil” e 73% dos pesquisados concordam que “A polícia é mais violenta com os negros do que com os brancos”.

Na mesma linha, predominam ideias confrontando valores machistas, sendo que 90% discordam da afirmação de que “O lugar da mulher é em casa cuidando da família” e prevalecendo a concordância com afirmações do tipo “Cantar uma mulher na rua é ofensivo” (73%), “Não se deve condenar uma mulher que transe com muitas pessoas” (78%) e “A mulher deve ter o direito de usar roupa curta sem ser incomodada” (91%).

Já em relação as questões relacionadas à população LGBT, 67% dos pesquisados discordam da ideia de que “A união de pessoas do mesmo sexo não constitui uma família” e concordam que “A escola deveria ensinar a respeitar os gays”.

Chama atenção, ainda, que dentre o público pesquisado, 16% afirma ter preferência partidária pelo PT, que foi o partido mais citado; PSL e PSOL vêm na sequência, cada um com 6% de preferência dos entrevistados.

Clique aqui e acesse a pesquisa completa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!