Seminário mostra desmonte da política de assistência social

0
1316
Fotos: Elineudo Meira

A Bancada de vereadores do PT realizou nesta segunda (10) o Seminário “Modo tucano de governar: um governo para os ricos” com a temática o desmonte da política de assistência social em São Paulo. A atividade ocorreu na Câmara Municipal de São Paulo e contou com a parceria do Diretório Municipal do PT da capital paulista.

Para vereadora Juliana Cardoso, que coordenou a mesa do seminário, a gestão tucana Bruno Covas desrespeita o Sistema Único de Assistência Social (SUAS), e impõe decretos um atrás do outro para dificultar o trabalho que envolve a política de assistência social. A parlamentar citou como exemplo o fechamento de equipamentos como do Centro de Desenvolvimento Social e Produtivo (Cedesp), que somente em uma unidade chega a atender até 12 mil jovens e adultos.

Os vereadores Suplicy e Juliana Cardoso participaram da discussão

O vereador Eduardo Suplicy falou sobre os cortes no orçamento da Secretaria Municipal de Assistência Social que acarretou no fechamento de mais de 150 mil vagas. Suplicy também ressaltou o aumento do número de pessoas em situação de rua que em 2015, de acordo com a pesquisa Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), era de 16 mil na cidade de São Paulo, hoje existe uma estimativa que o número está acima de 20 mil.

Regina Paixão, do Fórum de Assistência Social (FAS), destacou a necessidade de conscientizar a população de que política de assistência social não é caridade e para que ela aconteça de fato é preciso orçamento e profissionalismo. De acordo com ela, a situação da assistência social na cidade, só não está mais crítica, devido à pressão que é feita pelo Fórum e coletivos. “A pressão fez com que o congelamento de verbas para área de R$ 220 milhões caísse para 135 milhões”, afirma Regina.

Alan Francisco Carvalho, do Fórum Estadual de Trabalhadora e Trabalhadores do SUAS (FETSUAS-SP), ressaltou que vê com desalento a destruição da política de assistência social na cidade: “Aquilo que nós lutamos com sangue, suor e lágrimas para conseguir”. Alan lembrou que é preciso ficar atento, pois o que está por vir poderá ser pior com a possibilidade de uma guinada da ultradireita do Bolsonaro e destacou a necessidade de unidade e manifestação.

Segundo Nazareth Cupertino, do Centro de Defesa dos Direitos da Criança e Adolescente (CEDECA) de Interlagos, ao assumir a prefeitura João Dória preconizou os serviços, exonerou pessoas e atacou entidades sociais. “Reorganizou a cidade a partir do centro numa visão higienista, inaugurou a internação involuntária e precarizou os serviços e o Bruno Covas segue a mesma linha”, afirma ela.

Rute Alonso, presidenta da União de Mulheres e coordenadora do Centro de Defesa e Convivência da Mulher (CDCM) em Guaianases, falou sobre como o ataque direto aos serviços tem ameaçado a vida das mulheres. “Muitas mulheres estão em situação de violência pela ausência de uma política de moradia”, disse Rute, que complementou: “Existe um processo de destruição da política social em todos os campos, é preciso se movimentar para cada ameaça, ao mexer em um dos direitos afeta todos os outros”.

O Líder do PT, vereador Alfredinho

O Líder da Bancada de Vereadores do PT de São Paulo, o vereador Alfredinho comprometeu-se com os membros do Fórum, Conselhos e militantes da área de assistência social a obstruir os projetos do Executivo na Câmara, caso o prefeito não atenda ao pedido de reunião sobre o tema.

De acordo com o Alfredinho, a realização de um conjunto de seminários temáticos pelo partido faz parte de uma estratégia para construir uma proposta de programa de governo para cidade. O primeiro seminário da série ocorreu em maio e os próximos com os temas saúde, educação, transporte ocorrerão nos próximos meses.

Por Diane Costa, da comunicação do PT São Paulo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!