A Virada da Virada Cultural

0
932

Na década passada, a Virada Cultural renovou a cena artística e urbana brasileira. Na contracorrente de tendência conservadora e higienista das gestões paulistanas de 2005 a 2012, transformou o espaço público do centro em um palco para manifestações artísticas.
Desfrutamos um prazer inédito: andar 24 horas a pé no centro, circulando entre um piano pendurado a 20 metros de altura numa praça, uma banda em um largo, uma performance artística iluminada no meio da rua, um equilibrista atravessando o Anhangabaú em um cabo pendurado, um artista renomado reunindo multidões em um palco…
Em uma São Paulo carente de atrações, refratária ao uso do espaço público e avessa à sociabilidade descontraída das ruas, a Virada foi um alento, mostrou que outra cidade era possível.
Atraindo um público cada vez maior, revelou o desejo por trocar a privacidade da moradia pelo convívio cultural a céu aberto.
O crescimento trouxe problemas e críticas. Aos poucos, as ocorrências policiais da madrugada ganharam mais destaque que as atrações artísticas, afastando o público. O gasto concentrado em apenas um dia no centro (que cresceu de R$ 4,2 milhões a R$ 12,5 milhões, de 2005 a 2012) passou a ser questionado.
Sensível aos problemas, mas consciente da relevância da Virada, a gestão de Fernando Haddad vem aperfeiçoando a programação cultural para alcançar todas as regiões da cidade o ano todo.
Criou-se o Circuito Municipal de Cultura, que utiliza a rede de 130 equipamentos culturais para realizar a maior programação de espetáculos do Brasil, em todas as linguagens artísticas.
A Virada deixou de ser única e passou a integrar um calendário de eventos em espaços públicos, que inclui, entre outros, o aniversário de São Paulo, o Carnaval de Rua, o Mês do Hip-Hop, as festas juninas, o Mês da Cultura Independente, as Viradinhas Infantis, o Mês da Consciência Negra e a Jornada do Patrimônio.
Seguindo o Plano Diretor, que defende a valorização do espaço público, a cidade passou a ser um cenário para a cultura. A regulamentação dos artistas de rua, a criação de 32 ruas abertas (como a avenida Paulista) e a proliferação de eventos promovidos pelos próprios artistas no espaço público levaram o espírito original da Virada para toda a cidade, ao longo de todo o ano.
A própria Virada está sendo repensada. Em 2015, a descentralização foi uma das marcas do evento, processo que se acentua neste ano. Todas as subprefeituras receberão atrações e viradinhas infantis. No centro, o evento foi ampliado para 48 horas, começando às 17h desta sexta (20) com o “esquenta virada”, favorecendo os trabalhadores da região.
Em compensação, os palcos serão reduzidos durante a madrugada de domingo (22), quando o público se reduz significativamente. Nesse período, as muitas atrações previstas se concentrarão em um perímetro menor, com mais segurança.
Além de ocupar o centro e permitir uma circulação segura do público entre as várias atrações, a Virada chegará para toda a cidade, diversificando as plateias e gerando uma melhor relação custo/benefício. Em um momento de grande tensão política no país, espera-se uma Virada Cultural mais democrática e segura, uma virada de paz.
MARIA DO ROSÁRIO RAMALHO, 53, é secretária municipal de Cultura de São Paulo
Nabil Bonduki, 61, professor titular na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP e vereador de São Paulo (PT), foi secretário municipal de Cultura (2015-2016).
Fonte: Folha SP

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!