Merenda escolar é alvo do PSDB em São Paulo

0
2016
Para muitas famílias a merenda escolar é a principal, senão a única, refeição diária

Há mais de 60 anos, todos os alunos da educação básica matriculados em escolas públicas, filantrópicas e entidades comunitárias familiares devem, por lei, receber uma refeição ao longo do dia. A garantia é assegurada pelo Programa Nacional de Alimentação Escolar, que pretende contribuir para o desenvolvimento da aprendizagem e melhoria do rendimento escolar dos alunos.

Também tinha como objetivo formar hábitos alimentares saudáveis, meta desconsiderada até 2009, quando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou a Lei Federal 11.947/2009, determinando que pelo menos 30% do valor repassado pela União para garantir a alimentação das às crianças fossem destinados a compra de produtos da agricultura familiar.

Até então, o cardápio era composto por produtos enlatados e comidas processadas, já que as grandes indústrias dominavam o setor. Depois da regulamentação hortaliças, frutas e, especialmente, produtos regionais passaram a fazer parte do prato de crianças em todo o País.

Em São Paulo, o então prefeito Fernando Haddad sancionou a Lei Municipal 16.140/2015, para incluir alimentos orgânicos ou de base agroecológica na merenda escolar. Além da prioridade na aquisição destes produtos, a legislação prevê que os alimentos devem vir, prioritariamente, da agricultura familiar e do empreendedor familiar rural do município de São Paulo. A Lei também permite que o município pague até 30% a mais que o valor de alimentos similares convencionais.

“É óbvio que não conseguiremos comprar orgânicos no mesmo preço que o alimento produzido em latifúndios. Por isso, é preciso uma autorização legal para, pagando um pouco a mais, ir introduzindo o alimento orgânico nas escolas e fazer com que as crianças fiquem mais saudáveis”, explicou Haddad na ocasião.

Com a política de segurança alimentar iniciada nos governos do PT, ganham as crianças, que se alimentam com qualidade, ganha o agricultor familiar, que passa a ter mercado assegurado, e ganha o produtor de orgânicos, que encontra nas escolas um mercado consumidor até então pouco explorado.

Já os Tucanos têm outro olhar para a merenda escolar: “máfia da merenda” é o nome pelo qual ficou o esquema de corrupção durante a gestão do governador Geraldo Alckmin (PSDB), que consistia no desvio de milhões em recursos para a merenda escolar e pagamento de propina a agentes do governo.

O quarto episódio do Podcast dos Trabalhadores apresenta três situações recentes em que a merenda escolar ganhou destaque nos governos tucanos: a CPI da Merenda, no governo Alckmin; a tentativa de troca da merenda por ração ou farinata, pelo então prefeito João Doria; e o fim da política de aquisição de alimentos de forma centralizada, promovido pelo atual prefeito, Bruno Covas. Em entrevista, o vereador Jair Tatto comenta o desmonte do programa de alimentos orgânicos na merenda escolar.

Com informações do PT Senado e Rede Brasil Atual

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!