PLENÁRIO – Veja como foi a sessão desta quarta-feira, 19/2

0
930

Na sessão desta quarta-feira, 19, houve apenas o Pequeno Expediente, que é a parte da Sessão em que os vereadores falam por cinco minutos, sem possibilidade de aparte para outros parlamentares. Dos parlamentares do PT, utilizaram a tribuna os vereadores Reis, Senival Moura, Alessandro Guedes e o líder Alfredinho. A vereadora Juliana Cardoso e o vereador Eduardo Suplicy também fizeram intervenções – ele pela Comissão de Direitos Humanos da Câmara.

O vereador Reis cobrou do prefeito Bruno Covas o reajuste nos salários da Guarda Civil Metropolitana (GCM) cujos vencimentos são R$ 754,99. O vereador mencionou municípios com Jundiaí, Itapecerica da Serra e Taboão da Serra, onde a remuneração da categoria é maior que no município de São Paulo, a cidade mais rica do país. O parlamentar defendeu equiparar a remuneração ao salário mínimo estadual – R$ 1.163,55. O petista também criticou a ausência de resposta do Executivo aos reiterados pedidos de agenda para discutir as questões relacionadas à segurança pública no município de São Paulo.

Já o vereador Senival Moura falou sobre os problemas causados pelas enchentes e alagamentos na região do Itaim Paulista, periferia da zona leste de São Paulo. De acordo com o parlamentar, desde as chuvas do último dia 10, as ruas dos bairros da região permanecem inundadas e a população está vivendo em condição precária; trabalhadores têm dificuldade para se deslocar ao trabalho, crianças e jovens não conseguem chegar nas escolas e as pessoas com mobilidade reduzida, inclusive cadeirantes, estão ainda mais prejudicados. Senival reclamou da omissão da grande imprensa, que mais uma vez não tem dado visibilidade para esta população, e também criticou a inercia do Poder Executivo.

O vereador Alessandro Guedes também tratou do assunto das enchentes na região do Itaim Paulista, tema que tem acompanhado de perto. O parlamentar visitou a região e relatou que a água das chuvas se mistura com o esgoto e o mau cheiro e a possibilidade de contágio de doenças é grande. Guedes defendeu que haja prioridade política por parte da prefeitura e do governo do estado de São Paulo para a realização de obras urgentes, como o desassoreamento do córrego Lageado e das margens do rio Tietê. O vereador apresentou o vídeo que gravou em um córrego localizado na Vila Seabra, mostrando que o córrego está no nível da rua, sem qualquer barreira de contenção.

O Líder Alfredinho, por sua vez, falou sobre violência policial, desta vez na Escola Estadual Emydgio de Barros, no Rio Pequeno, zona oeste da Capital. O parlamentar exibiu o vídeo que circulou na internet, mostrando o exato momento da agressão, que classificou como inaceitável. O petista ressaltou que existem bons e maus policiais e que este caso deve ter as devidas providências tomadas pelo governador. Também registrou que a abordagem foi desproporcional aos relatos da ocorrência que motivou o chamado – um estudante cuja matrícula foi cancelada por evasão se negava a deixar a sala de aula. Para Alfredinho, são situações como essas que levam à rejeição dos jovens à polícia.

Outro assunto tratado pelo Líder do PT foi a forma desrespeitosa com o que o presidente Jair Bolsonaro tratou a jornalista Patrícia Melo Campos, da Folha de S. Paulo, que denunciou o uso criminoso de instrumentos para disparo de notícias falsas nas eleições de 2018. Alfredinho afirmou que “quando o presidente fala faz vergonha ao Brasil diante do mundo inteiro”. O petista cobrou, por fim, que a prefeitura tome providências com relação à demanda por creches no Parque Residencial Cocaia, que tem aproximadamente 700 crianças esperando na fila. Apesar disso, mais uma unidade foi fechada.

A vereadora Juliana Cardoso fez a leitura de uma proposta de moção em defesa da Caixa Econômica Federal e aproveitou para criticar o presidente Jair Bolsonaro pelas recorrentes declarações agressivas contra as mulheres. Segundo o regimento da Câmara, as moções precisam ser votadas em uma parte da Sessão chamada Prolongamento do Expediente, mas a sessão de hoje foi encerrada antes deste momento e, portanto, não foi votada. O texto entra na pauta para ser apreciado pelo plenário e momento oportuno.

Já Suplicy falou sobre a CPI das Fake News, os cortes do Programa Bolsa Família – capa da jornal O Estado de S. Paulo hoje – e as intervenções misóginas de Bolsonaro.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!