Em SP, 60 mil pessoas estiveram em ato pela democracia na praça da Sé

0
798

Em SP, 60 mil pessoas estiveram em ato pela democracia na praça da Sé
Mais de 60 mil pessoas se reuniram na praça da Sé, em São Paulo, na noite desta quinta-feira (31) em defesa da democracia e contra o processo de impeachment que corre no Congresso Nacional, segundo números dos organizadores.
Artistas, estudantes, trabalhadores, idosos, jovens: manifestantes dos mais variados estilos não paravam de chegar no local, que se enchia rapidamente conforme caía a tarde. Os gritos de “Não vai ter golpe” se somavam ao “Sérgio Moro, eu não me engano, o seu nariz é bico de tucano”, ao batuque incessante das baterias, ou ao ritmo do forró que tocava no trio elétrico.
“As pessoas estão percebendo que o golpe é um retrocesso, que vai fazer privatizações, piorar a educação, acabar com o Bolsa Família. A população precisa se mobilizar para convencer os deputados a não permitir a abertura desse processo de golpe”, afirmou o presidente nacional do PT, Rui Falcão, presente no ato. “O povo tem que se mobilizar, procurar os deputados, dizendo que não estão apoiando o golpe, que não tem nenhuma base legal.  A presidenta não cometeu nenhum crime, nem crime de responsabilidade. Impeachment sem crime de responsabilidade é golpe”, reforçou.
“O povo tem que se mobilizar, procurar os deputados, dizendo que não estão apoiando o golpe, que não tem nenhuma base legal”, reforçou Rui Falcão.
Nadia Campeão, vice-prefeita de São Paulo, Eduardo Suplicy, a cartunista Laerte foram algumas das personalidades presentes no ato. Caravanas do interior e do litoral de São Paulo também vieram em peso.
As manifestações foram chamadas pela Frente Brasil Popular, que reúne diversos movimentos sociais como CUT, UNE, MST, CTB, Consulta Popular, e a Frente Povo sem Medo, que reúne MTST, Uneafro, Ruas, Brigadas Populares, Intersindical, entre outros. Estudantes da USP, Mackenzie, Uninove e PUC também foram ao ato. Durante as falas, foi lembrado que há 52 anos ocorria o golpe militar, em 31 de março de 1964.
“Eu estou aqui porque isso é democracia real. Eu estou aqui pelo Brasil de todo mundo, o Brasil popular, o Brasil das feministas. Eu realmente acredito nisso. Não tem como chamar de impeachment. Pra mim é golpe”, afirma Luiza, estudante de 17 anos, que foi ao ato junto com a designer Adriana, de 53 anos.
“Eu tenho pavor do que está acontecendo no Brasil. Não quero golpe”, afirmou Adriana. A designer afirmou que, depois de 20 anos sem assistir à Globo, ficou chocada com a cobertura parcial da GloboNews. “Semana passada fiquei assistindo muito a Globonews depois de 20 anos e vi como as pessoas são massacradas por esse discurso (de apoio ao impeachment)”, afirmou.
Para Milton Barbosa, do MNU (Movimento Negro Unificado), a elite está utilizando o impeachment para se apropriar do aparato de Estado e “deitar e rolar mais ainda”.
“Eu quero respeitem o meu voto. Se eles querem conquistar a Presidência da Republica que seja na urna, e não do jeito que estão fazendo hoje”, afirma Alessandra Salvador, de Campinas.
ParEm SP, 60 mil pessoas estiveram em ato pela democracia na praça da Séa a dona de casa Ines Wanderley, 66, o impeachment é reflexo do machismo. “Querem tirar a Dilma porque ela é mulher. A Dilma é uma mulher de luta, de garra, de fibra, que não invadiu a presidência. Ela foi eleita. O povo sabe o que quer”, afirmou.
Edsão, operador de máquinas e membro do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, afirma que na fábrica, os trabalhadores já perceberam o cheiro de golpe. “O impeachment na forma como ele foi feito, só está tentando tirar um governo democraticamente eleito e reverter todos os avanços sociais que a gente já teve. Eles querem fazer o povo pagar a conta que é deles e não nossa”, disse.
A manifestação contra o impeachment e em defesa da presidenta Dilma Rousseff na Praça da Sé começou a se dispersar por volta das 20h.
Fonte: PT Nacional

LEAVE A REPLY

Or
Please enter your comment!
Please enter your name here