Homenagem a Kenarik é homenagear a luta em defesa dos direitos humanos

0
1158

No próximo dia 8 de Junho, a partir das 19h, a Câmara Municipal de São Paulo vai homenagear a juíza Kenarik Boujikian com o Título de Cidadã Paulistana. Para a Bancada de Vereadores do PT, homenagear Kenarik é homenagear a luta em defesa dos direitos humanos, a justiça social e a democracia.
Diversas lideranças e entidades comprometidas com essas causas vêm demonstrando respeito ao trabalho da homenageada e lhe prestando homenagens, entre elas a socióloga Julita Lemgruber, primeira mulher a dirigir o Departamento do Sistema Penitenciário do Rio de Janeiro.
*** CONTRA O MACHISMO, FEMINISMO ***
O legado das mulheres corajosas tem sempre a marca da ousadia diante do exercício de tarefas nas quais, por sua condição feminina, são pioneiras. Assim é Julita Lamgruber, coordenadora do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania (CESeC) e membro do conselho diretor do International Drug Policy Consortium (IDPC).
A socióloga começou a trabalhar no sistema penitenciário carioca em 1983, como assessora da direção, e entre 1991 e 1994 foi a primeira mulher diretora-geral do Departamento do Sistema Penitenciário do Rio de Janeiro, período em que procurou trabalhar a relação e os conflitos com os presos através do diálogo. Sua experiência nas cadeias está no livro A Dona das Chaves, escrito com a jornalista Anabela Paiva e lançado em 2010.
Em 1999 assumiu a primeira ouvidoria de polícia do Estado do Rio de Janeiro, mas deixou o cargo um ano depois, em solidariedade ao amigo Luiz Eduardo Soares, então coordenador de Segurança Pública, que foi exonerado do cargo depois de denunciar a corrupção de policiais cariocas. Foi membro titular do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária do Ministério da Justiça e sempre dedicou ênfase em seus estudos à temática da Violência e Criminalidade, atuando principalmente em questões relacionadas ao sistema penitenciário, segurança pública, penas alternativas e sistema judiciário.
Por dez anos fez parte do conselho da ONG Penal Reform International, pesquisando sobre penas alternativas em todo o mundo, trabalho que inspirou mudanças na legislação brasileira, em 1998: até então, punições deste tipo só eram opção em penas de até um ano, o que foi ampliado para quatro anos a partir de então.
Foi responsável pela sistematização de propostas sobre segurança pública na campanha de Lula, em 2002, e atuou como voluntária na campanha do então candidato democrata à presidência dos Estados Unidos, Barak Obama. É autora de “Cemitério dos Vivos: Análise Sociológica de Uma Prisão De Mulheres”, obra pioneira na abordagem de importantes reflexões sobre as mulheres encarceradas, e “Quem Vigia os Vigias? – Um estudo sobre controle externo da polícia no Brasil”, resultado de um projeto de pesquisa sobre o controle externo da polícia, ainda limitado às ações pouco eficazes das Corregedorias e Ouvidorias.
Sua história é sinônimo para direitos humanos, ousadia e coragem. Mulher destemida, Julita Lemgruber também merece ser homenageada.
Fonte: Liderança do PT

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!