Os cães ladram e a caravana segue

0
1129

Por Gleisi Hoffmann

A caravana Lula Pelo Brasil concluiu vitoriosamente sua etapa pelos estados do Sul do país, apesar dos ataques e agressões que sofremos ao longo da jornada. A violência dos fascistas e o ódio da direita não conseguiram deter nossa caravana nem vão parar a marcha da história.

Mas foi necessário um atentado a tiros, em uma rodovia do Paraná, para despertar a atenção da grande mídia, em especial Rede Globo, para os fatos e levantar o repúdio ao uso da violência como arma política. Antes dos tiros de terça-feira (27), a caravana já havia sido alvo de bloqueios nas estradas e de ataques com ovos, pedras e barras de ferro.
No Rio Grande do Sul, milícias a mando da direita investiram com barras de ferro, soco-inglês e até chicotes contra o público que queria ver Lula falar nas praças. Em Chapecó (SC), um policiamento leniente permitiu que as milícias bloqueassem a porta do hotel onde ele se hospedava. Foi o povo que garantiu a segurança para o deslocamento do ex-presidente.

Lula tem o direito de percorrer este país que governou melhor do qualquer presidente antes dele. É simplesmente cínico dizer que o Sul seria um território hostil à caravana, como se escreveu em alguns editoriais e artigos na imprensa. Lula também é líder nas pesquisas presidenciais nos estados do Sul, como de resto em todo o Brasil.
O apoio a Lula ficou claramente demonstrado nas grandes manifestações que receberam o presidente em cada cidade que ele entrou. Nas visitas que fez às universidades e campi universitários que criou e implantou. Nos assentamentos da reforma agrária, nas propriedades da agricultura familiar que visitou.

Os atos públicos de São Leopoldo, Florianópolis e Curitiba foram expressivos em público e na representatividade social, mostrando a força de Lula, sua história e a causa que representa. A Caravana cumpriu seu objetivo e andou por onde tinha de andar!
Mas o que ocorreu no Sul não pode ficar impune, sem providencias por parte das autoridades. Diferentemente dos outros 12 estados percorridos pela caravana, foi a mobilização de capangas e milicianos, a serviço dos mesmos latifundiários que mandam matar camponeses, posseiros, sem-terra, sindicalistas, padres e advogados que agiu contra Lula, contra a democracia, contra a Constituição. Isso teve a complacência e a omissão de alguns comandantes de polícia infectados pelo vírus do bolsonarismo.

O que o país assistiu nessa jornada de dez dias não foram manifestações políticas, aquelas garantidas pela constituição democrática de 1988. Foram ataques organizados contra o direito de ir e vir de um ex-presidente da República e da ex-presidenta Dilma Rousseff, que o acompanhava. O que se viu foi a tentativa de interditar, pelo uso da força, o direito de reunião e de manifestação da mais expressiva corrente política do Brasil.

Os tiros contra a caravana não atingiram apenas o PT, atingiram a democracia. Quem apertou o gatilho foi a cultura do ódio e da intolerância que vem sendo disseminada no país com a complacência e até mesmo a cumplicidade dos grandes meios de comunicação. A mesma cultura de ódio e intolerância que vitimou Marielle e Anderson, crime que permanece impune.

A Secretaria de Segurança Pública e o governo do Paraná têm o dever de investigar com rigor o atentado do dia 27 e levar seus autores à Justiça. Mas desde o primeiro momento o que se vê são informações mentirosas e a manipulação política do caso. O Brasil e a comunidade internacional, que acompanha atentamente os fatos, exigem uma investigação séria e isenta, para que não se repitam atentados à democracia em nosso país.

Gleisi Hoffmann é senadora (PT-PR) e presidenta nacional do PT.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!