ARTIGO – BolsoDoria e os vilões da Segurança

0
2089

Atualizado em 21 out. 2019, às 15h24 | Edição: Debora Pereira

Despencados de voos cansativos
Complicados e pensativos
Machucados após tantos crivos
Blindados com nossos motivos (…)”
Trecho da Musica Passarinhos, do rapper Emicida

E despencando ladeira abaixo, o governo de Jair Bolsonaro (PSL) não tem a menor ideia de como conduzir o país. Em meio a polêmicas de corrupção, compra de deputados e brigas internas, o Brasil vai se arrastando, sobrevivendo e se virando do jeito que pode.

E se não bastasse a inabilidade técnica e administrativa do governo de Jair Messias Bolsonaro e seus correligionários nos Estados e Municípios, intensificou-se uma cultura de ódio e confronto cotidiano entre famílias, amigos e até categorias profissionais.

No Governo do Estado de São Paulo, o governador João Doria (PSDB) impõe sua agenda neoliberal de desmonte dos serviços públicos, em especial na Secretaria de Educação, com atos que desestabilizam ainda mais o trabalho dos profissionais da Educação: a adesão às “Escolas Militares” em plena semana do dia dos Professores; a publicação em Diário Oficial de Portarias emitidas pela Coordenadoria de Gestão de Recursos Humanos – CGRH 4 e 6/2019 -, que contrariam o Estatuto do Magistério; entre outras legislações que desumanizam ainda mais o processo de atribuição de aulas.

Por sua vez, na Prefeitura de São Paulo, o prefeito Bruno Covas (PSDB) vai reproduzindo a agenda de seu antecessor – Doria – e, após grande polêmica sobre a aplicação dos questionários sociais para as famílias da educação básica, que “induzia” as famílias a avaliarem mal as escolas públicas, foi obrigado a suspender a avaliação.

E neste passo a sociedade brasileira vai seguindo em voos cansativos em meio a todo este retrocesso na educação, aumento do desemprego, precarização do trabalho, com o que pode ser chamado de “ubernização” dos serviços, aumento de pessoas em situação de rua em metrópoles como São Paulo (centro e periferia), ataques e desrespeito na saúde e com os bens públicos – a exemplo da Prefeitura de São Paulo, que vende tudo que pode e de “porteira fechada”.

Uma das últimas atitudes desta mentalidade escravocrata que assola o país, foi a humilhação por parte do governador João Doria dirigida aos policiais aposentados do Estado de São Paulo, com vocabulário e narrativas inadequadas para um chefe de Estado, chamando os trabalhadores de “vagabundos” e “preguiçosos”, por protestarem por melhores condições de vida.

Este infeliz episódio não está desvinculado da cultura “reacionária”, “autoritária” e “intolerante” do “Bolsonarismo”, que, como uma “epidemia”, tomou conta de mentes e corações de parte da população brasileira.

O uso político e ideológico por parte dos governos de Bolsonaro e Doria, manipulam as trabalhadoras e trabalhadores das forças de segurança do estado e municípios, como um verdadeiro “Fla-Flu” e a “bancada da bala” e a “militarização” de escolas seriam as soluções para todos os problemas sociais, culturais e econômicos do país.

E chamo a atenção para uma categoria de trabalhadores, os policiais militares e Civis e os guardas municipais, que assim como outros servidores públicos que atuam na base da sociedade (professores, enfermeiros, assistentes sociais) também passam diariamente pelas mesmas rotinas após um dia de trabalho: voltam para suas famílias, como pais, mães, filhos, irmãos, avós, tios, tias e amigos; que deixam seus filhos, netos, sobrinhos nas escolas; que utilizam o transporte coletivo; que vão aos hospitais públicos e estão sujeitos as mesmas dificuldades e paixões da vida no Brasil; que recebem baixos salários; possuem empréstimos em bancos; sofrem com falta de estrutura para trabalhar; não têm reconhecimento material, social e emocional.

Apesar de todas essas condições, uma parte destes trabalhadores foram tomados de “assalto” por uma narrativa imediatista, carregada de ódio, como solução para resolver os problemas históricos da categoria e requentada com doses de “senso comum” e nostalgia – “saudades do que não vivemos”. Então foram instrumentalizados pelo Bolsonarismo ou, melhor dizendo, pelo “BolsoDoria”. Como consequência se aprofunda a crise na categoria, com o aumento dos índices de suicídio, já denunciado pelo Vereador Paulo Reis (PT) na tribuna da Câmara Municipal de São Paulo e em audiência pública.

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, Entre 2017 e o ano passado, 78 policiais tiraram a própria vida. Destes, 17 eram policiais civis da ativa. Tendo em vista um efetivo de 28 mil agentes, a taxa de suicídio nesse grupo é de 30,3 a cada 100 mil habitantes. Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), uma taxa de 10 a cada 100 mil já pode ser classificada como epidêmica. Ou seja, o suicídio na corporação é três maior do que o aceitável. Se comparada a taxa média de suicídio das duas polícias (militar e civil) em São Paulo (23,9 por 100 mil) com a do restante da população brasileira (5,8 por 100 mil), os policiais se suicidaram em uma proporção quatro vezes maior do que a população em geral.

SESSÃO SOLENE

A conjuntura política desfavorável a todos os trabalhadores e as péssimas condições de trabalho dos Policiais foram pautadas durante a Sessão Solene no Salão Nobre da Câmara Municipal de São Paulo, na última sexta-feira, 18, em comemoração ao Dia da Valorização da Policia Civil, conforme a Lei Municipal n° 17.066/2019, de autoria do vereador Reis.

O Deputado Federal Rui Falcão (PT-SP), presente na solenidade, alertou sobre os malefícios da Reforma da Previdência em curso no Congresso Nacional para todos os trabalhadores e falou sobre o Projeto de Lei 1.004/2019, de autoria do deputado Capitão Augusto (PR-SP), que permite que a Polícia Militar elabore os autos de prisão em flagrante delito e os autos de apreensão por atos infracionais, desempenhando as mesmas funções que a Policia Civil.

Estiveram presentes no evento o Dr. Waldir Covino, Delegado de Polícia Chefe da SSP/APC; o Sr. Marco Antônio Bioto, Agente Policial da 3° Delegacia de Polícia de Investigações sobre Desmanches Delituosos do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Divecar/Deic); representando o Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (Sindpesp) a presidenta, Dra. Raquel Kobashi Gallinati, e Dr. Fernando César de Souza e Dra. Juliana Ribeiro, ambos diretores da entidade; o Sr. João Xavier Fernandes, Presidente do Sindicato dos Escrivães de Polícia do Estado de São Paulo (Sepesp) e os Srs. Eduardo Fernandes Silva, Heber Souza dos Santos e José Airton Marques, Escrivães de Polícia; já pela Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (Adpesp) participaram Dr. Gustavo Mesquita Galvão Bueno, presidente da entidade, e os diretores Dr. Arnaldo Rocha Junior e Dr. Rodrigo Lacordia. Essas foram as entidades homenageadas e que em seus pronunciamentos realizaram duras críticas ao modelo do governo “BolsoDoria” e ao abandono das Forças de Segurança, por parte das autoridades.

Os ataques do “triunvirato” Bolsonaro/Doria/Covas se estendem a todos os trabalhadores, independente da categoria, para superação deste modelo. É importante retomarmos o pacto Federativo em prol de um país para todos, com a união dos trabalhadores, movimentos sociais do campo progressista, pela democracia e Liberdade do Presidente Lula, cuja prisão é parte deste enredo tenebroso. Todos juntos, rumo a um Brasil melhor e mais justo!

#LulaLivre!

Willian Botelho é Educador e compõe a assessoria técnica da Liderança do PT na Cãmara Municipal de São Paulo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!