Câmara aprova passe-livre para estudantes de cursinhos

0
1995
Foto: Rede de Cursinhos Populares

texto atualizado em 17 out. 2019, às 12h39
Colaboração: Diego Pandullo

Foi aprovado em segunda votação e agora segue para a sanção do prefeito o Projeto de Lei 508/2016, de autoria dos vereadores Antonio Donato, Eduardo Suplicy, Juliana Cardoso, Reis e outros, que institui o passe-livre para os estudantes de cursinhos comunitários pré-vestibular nos serviços de transporte coletivo do Município.

A deliberação do PL ocorreu na sessão desta quarta-feira, 16, com diversos estudantes acompanhando a votação nas galerias. O texto foi aprovado na forma de um substitutivo apresentado pelo vereador Reis.

Estudantes acompanham a votação no plenário da Câmara | Foto: Rede de Cursinhos Populares

Sancionado durante a gestão do prefeito Fernando Haddad (PT), em 2013, atualmente a isenção de tarifa para estudantes é prevista apenas para aqueles matriculados no ensino fundamental e médio da rede pública e para alunos do ensino superior que declarem baixa renda ou sejam beneficiários de bolsas de estudo em instituições privadas ou cotas em universidades públicas.

Os cursinhos populares e comunitários abarcados pelo projeto são aqueles que preparam estudantes de baixa renda para o ENEM e outros vestibulares. As aulas são gratuitas e os professores, na maioria dos casos, voluntários. Os cursinhos são, em geral, ligados a universidades, entidades estudantis ou associações de moradores.

De acordo com levantamento elaborado pela Frente de Cursinhos Populares de São Paulo, a cidade conta hoje com pouco mais de cem cursinhos populares com aproximadamente 15 mil alunos. Em estudo elaborado com estes números, conforme modelo de cálculo proposto pela SPTrans, aponta que o impacto orçamentário estaria na faixa de R$ 11 milhões. O montante representa menos de 1% do orçamento da Secretaria de Transportes. Segundo a organização, o custo de transporte é hoje a principal causa de evasão nos cursinhos.

A justificativa apesentada junto com o projeto afirma que “o objetivo é ampliar o importante benefício, tendo em vista que alunos dos cursos previstos pela presente propositura têm dificuldade para conciliar o estudo com o trabalho e, portanto, raras vezes têm a possibilidade de auferir renda”.

Os vereadores Caio Miranda Carneiro (PSB), Fernando Holiday (DEM) e Janaína Lima (NOVO) registraram voto contrário ao projeto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!