Com voto contra do PT, Câmara aprova LOA 2020

0
1412

A Câmara Municipal votou na tarde desta quarta-feira, 23, o Projeto de Lei (PL) 643/2020, do Executivo, que estabelece a Lei Orçamentária Anual (LOA) para 2021, que prevê a arrecadação municipal e fixa as despesas da cidade. O texto, deliberado em segunda e definitiva votação, segue para sanção do prefeito Bruno Covas (PSDB), e recebeu 37 votos favoráveis e 12 contrários ao Substitutivo apresentado pela Comissão de Finanças e Orçamento.

Com isso, os trabalhos legislativos foram encerrados e a Câmara de São Paulo entrou oficialmente em recesso.

Veja abaixo os principais pontos do Orçamento aprovado:

O Projeto de Lei Orçamentária 2021 marca o abandono das privatizações e concessões anunciadas pela dupla Doria e Covas. As concessões mais significativas da gestão não ocorreram em 2020 e não estão previstas para ocorrerem em 2021, uma redução de R$ 2,8 bilhões no orçamento de 2021. Além disso, o governo recuou na previsão da lei de diretrizes orçamentárias para 2021 que estabelecia uma captação de R$ 3 bilhões com operações de crédito, na lei orçamentária para 2021 há previsão de apenas R$ 1,1 bilhão. Ambas representam uma redução de mais de R$ 4 bilhões no orçamento do ano seguinte. O orçamento total recuou em R$ 1,4 bilhão, de R$ 68,9 bilhões para R$ 67,5 bilhões.

O déficit foi menor devido à previsão de aumento de R$ 2 bilhões com a receita de impostos municipais (IPTU, ISS e ITBI), ou seja, a crise decorrente do coronavírus não impactará decisivamente as contas municipais no próximo ano.

Em 2020, mesmo com a crise em decorrência do novo coronavírus a arrecadação municipal cresceu R$ 4,7 bilhões, no acumulado de janeiro a novembro, de R$ 55,4 bilhões para R$ 60,3 bilhões, aumento de 8,5%. Os números indicam que a projeção de queda com a redução é apenas devido ao abandono das privatizações e concessões, a receita municipal continua crescendo.

No campo da despesa pela primeira vez desde 1988 os recursos da função educação registraram redução. A constituição federal sacramentou a vinculação de recursos da educação, e de lá pra cá o orçamento da pasta sempre aumentou, mas os valores orçados na função educação registraram recuo de R$ 242,3 milhões, de R$ 14,1 bilhões em 2020 para R$ 13,8 bilhões em 2021.

Os retrocessos não param na educação, a função Assistência Social foi reduzida em R$ 199 milhões e a promessa de entrega de mais de 70 mil moradias nos próximos quatro anos foi abandonada antes mesmo de começar a gestão, com redução de R$ 501 mi na função habitação.

Dando sequência ao processo de centralização da gestão e sucateamento das Subprefeituras, o Executivo apresentou uma peça em que reduzia R$ 396 milhões das subprefeituras, valores inferiores ao orçado em 2016.

Durante a sessão também foi aprovado, em segunda votação, com 34 votos favoráveis, 17 contrários e uma abstenção, o texto Substitutivo ao PL 173/2018, da Mesa Diretora. O PL trata da correção dos subsídios do prefeito, vice-prefeito e secretários e a Bancada do PT também votou contra. Clique aqui e entenda a posição do PT.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!