Covas retoma supersalários em São Paulo

0
3306
Veja como cada vereador votou no projeto que cria super salário | Foto: Reprodução

Apesar da resistência da oposição e mesmo de vereadores da base governista na Câmara Municipal de São Paulo, foi aprovado nesta quarta-feira, 26, o Projeto de Lei (PL) 616/2018, de autoria do Executivo, que cria uma série de gratificações extras para servidores do topo do funcionalismo público, como auditores fiscais e procuradores do Município. O projeto vai para a sanção do prefeito.

O mesmo texto que prevê abonos para determinadas carreiras de servidores municipais, oferece apenas 3% de reajuste no salário dos professores (a serem pagos em 2020 e parcelado em três vezes) e somente corrige em 0,01% os salários dos demais servidores. O projeto recebeu 30 votos favoráveis, 18 contrários e duas abstenções. A Bancada do PT votou contra o PL.

De acordo com o vereador Alessandro Guedes (PT), presidente da Comissão de Finanças e Orçamento da Câmara, o texto inicial, que seria sobre a concessão de abono para os trabalhadores da educação, acabou se tornando uma concessão de supersalários a uma parte da categoria já privilegiada, “enquanto a grande maioria do funcionalismo de São Paulo terá um reajuste miserável”.

“Utilizaram um projeto aprovado em primeira votação, com outro conteúdo, e colocaram agora gratificações, que são verbas indenizatórias e podem, portanto, extrapolar o teto do prefeito, tanto para auditores fiscais, quanto para funcionários convocados para a PGM [Procuradoria Geral do Município]”, explicou o vereador Donato, membro da Comissão de Administração Pública da Casa.

Veja o texto original do PL 616/2018 e o substitutivo da Liderança do Governo que foi aprovado.

O petista se refere ás gratificações que poderão ser pagas para procuradores nomeados pelo procurador-geral do município para atuar como assessores técnicos em ações judiciais de competência da PGM. Esses assessores terão direito a um bônus de até 50% do valor pago ao perito judicial da ação, desde que esse valor não ultrapasse 50% do salário do secretário. Atualmente o salário de um secretário na administração municipal é em torno de R$ 19 mil.

O teto do funcionalismo é o salário do prefeito (R$ 24.165,87), valor máximo, determinando por lei, que pode ser pago a um servidor municipal. Ocorre que o projeto aprovado criou gratificações por produtividade, que podem variar de R$ 6.667,12 a 10.260,33, fazendo com que os vencimentos de servidores que ocupam postos já bem remunerados cheguem a R$ 34.426,20.

HISTÓRICO

Em fevereiro deste ano o prefeito Bruno Covas (PSDB) sancionou uma lei municipal que acabou com a proibição de secretários acumularem salários e jetons, uma bonificação em torno de R$ 6 mil para ocupantes de postos em conselhos de administração e conselhos fiscais de empresas públicas municipais. Na prática, os secretários tiveram um reajuste significativo nos vencimentos.

RESUMO DO PL 616/2018

A Bancada de Vereadores do PT de São Paulo votou contra o PL 616/2018 porque:

* Vários assuntos não discutidos anteriormente e nem acordados com as representações sindicais foram inseridos em um projeto já votado em primeira discussão e que tratava inicialmente apenas da valorização das carreiras da educação. Assim, o governo utiliza brechas regimentais para aprovar medidas de alto impacto no município, com truculência e sem transparência ou o devido debate público;

* Institui a Bonificação por Resultados (BR). A medida é baseada em critérios meritocráticos, não discutidos ou apresentados aos servidores. A reivindicação dos representantes sindicais é para valorização da remuneração e salários de maneira geral e não por meio da implantação de remuneração variável;

* Aplica a revisão geral anual de 0,01% para os anos de 2016, 2017, 2018 e 2019. Novamente a revisão geral em 0,01% não é algo razoável, já que a inflação no mesmo período foi de 22%, de acordo com o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), medido mensalmente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE);

* Institui abono emergencial para os cargos de Assistente de Gestão de Políticas Públicas (AGPP), Agente de Apoio e Assistente de Suporte Técnico (AST), excluindo os aposentados. A exclusão dos inativos é o ponto problemático da regra;

* Reajusta a tabela do Quadro dos Profissionais da Educação (QPE) em 3,03% somente em 2020. Tendo em vista que já não foi reajustada a tabela em 2018 é inadmissível que o pagamento seja realizado apenas em 2020 e ainda parcelado em três vezes (1% a partir de maio, 1% a partir de setembro e 1% a partir de dezembro de 2020). Além disso, o índice ideal deve ser de pelo menos 7,65%, referente ao IPCA do período;

* Extingue a incorporação da Função Gratificada, Gratificação de Gabinete e Gratificação de Comando. Este ponto não foi discutido com o funcionalismo. Hoje a incorporação serve como o único estímulo aos servidores que não possuem planos de carreira. Extinguir a incorporação sem promover a reestruturação dos cargos de nível médio e básico é um acinte ao funcionalismo;

* Institui a Gratificação de Função Federativa e institui a Verba Indenizatória da Assistência Técnica em Ações Jurídicas. Esses dois mecanismos podem ocasionar supersalários às carreiras de Auditores Fiscais e Procuradores. Trata-se de um mecanismo para burlar o teto do salário do Prefeito.

* Altera regras de progressão e promoção para nível básico e nível médio. Trata-se de mudanças complexas, que afetam regras anteriores, dificultando a progressão de carreira, sem nenhuma conversa ou debate com o funcionalismo municipal.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!