Dória e Alckmin aumentam a tarifa do transporte em até 35,7%

0
1040

Em ação conjunta dos tucanos Geraldo Alckmin e João Doria Jr., o Governo do Estado e a Prefeitura de São Paulo anunciaram o reajuste do valor da integração e do Bilhete Único Mensal no Município, a partir do dia 8 de janeiro. A tarifa será reajustada dos atuais R$ 5,92 para R$ 6,80, um aumento de 14,8%. O percentual é quase o dobro dos 6,4% da inflação projetada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).
Apesar do congelamento da tarifa básica, o aumento chega a 35,7% no Bilhete Único Mensal e nas integrações entre ônibus municipais e o sistema de trens e Metrô. O Bilhete Único Mensal foi criado pela gestão do ex-prefeito Fernando Haddad (PT) para diminuir os custos com o deslocamento, especialmente dos trabalhadores que utilizam o serviço diariamente. Durante a campanha eleitoral, João Doria Jr. garantiu que não aumentaria a tarifa de ônibus.
Em nota, o Líder da Bancada do PT, vereador Antônio Donato, criticou a medida. “Dória e Alckmin optaram pela lógica perversa de desarticular viagens e encarecer o serviço para uma parte da população, justamente a que mais usa o transporte público, invertendo a política de mobilidade adotada nos últimos quatro anos, que sempre teve o papel primordial de estimular o uso do transporte público.”
Com o reajuste imposto pelos tucanos, somente ao usuário que fizer mais de 51 viagens por mês vai compensar utilizar a modalidade, já que a tarifa mensal passa de R$ 140 para R$ 190 nos ônibus e de R$ 230 para R$ 300 na integração entre ônibus e o sistema de trens e Metrô.
Segundo dados de 2016 da São Paulo Transporte (SPTrans), a média mensal de usuários que pagaram tarifas integradas (comum ou mensal) foi 13,1 milhões em 2016 e 10 milhões utilizam o bilhete mensal comum, vale-transporte ou estudante todo mês. Isso significa que cerca de 23 milhões de passageiros que utilizam o transporte coletivo na capital paulista serão afetados diretamente.
Dória Jr. também anunciou o corte na gratuidade para idosos com idades entre 60 e 65 anos que não estejam aposentados. Durante a gestão Haddad, o benefício obrigatório para maiores de 65 anos foi estendido para pessoas a partir de 60 anos.
Fonte: Liderança do PT

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!