Orçamento da cidade de SP para 2023 é aprovado em primeira discussão

0
1624
Plenário da Câmara Municipal de São Paulo São Paulo, 10 de maio de 2021 Plenário da Câmara Municipal de São Paulo | Foto: João Raposo/Rede Câmara

Na tarde desta terça-feira, 06/12, a Câmara Municipal de São Paulo aprovou em primeira discussão o substitutivo da Comissão de Finanças e Orçamento ao Projeto de Lei 579/2022, do Executivo, que propõe a LOA (Lei Orçamentária Anual) 2023. Apresentada pelo Executivo, a peça prevê a arrecadação do município e fixa as despesas da cidade. Para o próximo ano, o Orçamento do município está estimado em R$ 95,8 bilhões.

Com uma arrecadação impressionante, o valor representa aproximadamente 15% a mais em relação ao orçamento de 2022 (R$ 82,7 bilhões). O Projeto de Lei que propõe a LOA é encaminhado pelo Executivo municipal todos os anos até o dia 30 de setembro para o Legislativo paulistano e tem como diretriz a LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias), também discutida anualmente pela Câmara e aprovada sempre no primeiro semestre. 

Uma questão preocupante e que exemplifica a falta de planejamento do município são os valores empenhados em contratos emergenciais sem justificativa alguma e que impactam duramente a perspectiva do Legislativo paulistano em relação à LOA. 

É visível que a saúde orçamentária do município está em sua plenitude, mas mesmo com uma arrecadação recorde, a Prefeitura de São Paulo segue sem capacidade de execução, com a máquina pública desaparelhada  e com um planejamento discutível. 

Ao longo das 12 audiências públicas promovidas pela Comissão de Finanças, 10 temáticas e duas gerais, munícipes e representantes de movimentos de São Paulo pontuam a importância da descentralização e da participação da sociedade no planejamento e na elaboração do orçamento para proporcionar aos munícipes o efetivo acompanhamento e fiscalização do orçamento público. 

A partir da primeira apreciação em plenário, os parlamentares têm o intervalo de duas sessões ordinárias para apresentar emendas ao Projeto de Lei. 

O presidente da Comissão de Finanças e Orçamento, o vereador petista Jair Tatto, destacou o esforço do relator Sidney Cruz (SOLIDARIEDADE) em dialogar com todos os parlamentares, representantes de movimentos e sociedade civil presentes nas audiências públicas gerais e temáticas, mas fez algumas ponderações importantes “Nós precisamos fazer uma discussão mais a fundo e esse debate eu venho fazendo nesses oito anos dentro dessa Comissão, quatro anos já presidindo, em que a execução é o maior desafio. Nós precisamos fazer um debate, que este ano nós vencemos esse desafio porque houve a destinação [das verbas]. Porém, houve a todo momento uma justificativa do governo de que não havia capacidade de executar [os valores]”, ressaltou o presidente.

ImagemRegistro da reunião extraordinária da Comissão de Finanças e Orçamento | Imagem: Reprodução Twitter Câmara Municipal de São Paulo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!