PT questiona Prefeitura de SP sobre repasse de verba da educação pública para colégio privado

0
888
Reprodução/Instagram @_liceu

Com um valor mensal que beira os R$400 mil reais, a bancada do PT aponta irregularidades e pede suspensão da execução do Termo de Fomento 03/2022

Nesta sexta-feira, 20/01, a liderança da bancada do PT na Câmara Municipal de São Paulo encaminhou uma representação ao Tribunal de Contas do Município questionando o repasse de verba pública ao colégio Liceu Coração de Jesus, localizado nos Campos Elíseos, região central da cidade.

Em agosto de 2022, o colégio particular anunciou que encerraria as atividades escolares devido a questões financeiras, após a queda drástica de matrículas. A diretoria da escola alega que a baixa procura está diretamente ligada à insegurança do entorno, principalmente após a movimentação de dependentes químicos que se concentravam na Cracolândia.

O documento aponta que o Termo de Fomento não foi apresentado para suprir necessidades de atendimento à demanda de educação municipal, mas para redirecionar verba pública para manutenção das atividades da instituição privada de ensino.

Sem embasamento, a prefeitura alega que “já houve um significativo adensamento habitacional na região, a ser ainda incrementado por conta das novas moradias sociais a serem entregues…”, mas não apresentou documentação da rede municipal de educação de que haveria, a partir da questão apontada, um déficit de vagas para esse público, nas escolas de São Paulo.

CONFIRA ALGUNS PONTOS IMPORTANTES DO PROCESSO:

Agilidade e eficiência na tramitação

Consideravelmente diferente do que notamos em questões urgentes do município, percebe-se uma curiosa agilidade do poder público municipal em salvar pontualmente empresas privadas, quando existem tantas demandas pendentes em todas as áreas de São Paulo, principalmente no que tange à educação.

A questão foi incluída no sistema municipal em novembro e o Termo de Fomento foi apresentado há menos de um mês, o que gera estranheza de munícipes e da comunidade educacional. 

A assessoria jurídica da SME-SP reedita novo parecer

A assessoria jurídica da Secretaria Municipal de Educação reeditou um novo parecer jurídico em no dia 16 de janeiro reconhecendo que, por se tratar de modelagem inédita para o oferecimento de vagas de ensino fundamental que está sendo realizada pela SME, a celebração não está isenta de questionamentos e deveria ser encaminhada para análise da Procuradoria Geral do Município – PGM.

Apenas esse aspecto já desautoriza, seguindo os Princípios da Prudência e da legalidade estrita, qualquer precipitação no processo de formalização desse tipo de ajuste.

O estatuto da entidade Liceu Coração de Jesus gera questionamentos

Um outro destaque levantado na representação, após a leitura do estatuto do colégio, são os aspectos que não são condizentes com a lavratura do termo, confira alguns que foram destacados no documento:

O processo educativo desenvolvido pela entidade segue princípios do Sistema Preventivo Pedagógico Salesiano. Não é possível saber exatamente o que isso significa e, tampouco se colide com a previsão constitucional de um Estado Laico (art. 3º, § 1º);

 O artigo 16 do Estatuto, por sua vez, deixa claro o aspecto religioso da instituição;

Outros aspectos estatutários atinentes à administração, gestão, objetivos e atribuições que podem colidir com as cláusulas do Termo de Fomento, aspectos a serem minuciosamente avaliados.

Encaminhamento do PT

A bancada do PT solicita ao TCM urgentes providências para suspender o Termo de Fomento, com o objetivo de evitar problemas futuros que possam impactar gravemente a estrutura da rede municipal de ensino.

Confira a representação na íntegra AQUI

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!